SIM, É POSSÍVEL UM CONCELHO MELHOR!
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2007
Sobre o acordo entre PS e PSD

Sobre o acordo entre PS e PSD de revisão da lei eleitoral para as autarquias

 

 
pcp-logotipo.jpg

 


Nota do Gabinete de Imprensa do PCP


O acordo anunciado por PS e PSD, a propósito da revisão da lei eleitoral para as autarquias locais, testemunha perante o país a profunda identificação de propósitos e de concepções políticas entre aqueles dois partidos. Um acordo que, por si só, desmente a encenada atitude por parte do PSD para se apresentar como oposição ao Governo PS e confirma a comprovada opção pela política de direita do PS.

A concretizar-se, tal acordo – traduzido no fim da eleição directa da Câmara Municipal e na atribuição ao partido vencedor de todos os lugares no executivo municipal — constituiria um elemento redutor da democraticidade do poder local e um novo factor de empobrecimento da vida política. A constituição de executivos monocolores representaria uma drástica redução dos mecanismos de fiscalização e constituiria um rude golpe na transparência da gestão de muitas das autarquias.

É incontestável que, em matéria de fiscalização legal e democrática, a presença de eleitos de outras forças políticas nas câmaras municipais são uma garantia mínima de legalidade, de efectivo conhecimento e verificação dos processos e actos de gestão e de decisão, indispensáveis a uma efectiva fiscalização que manifestamente a Assembleia Municipal não tem condições de assumir.

Estas alterações não correspondem a qualquer dificuldade ou bloqueio do actual sistema eleitoral na governabilidade das câmaras municipais. Pelo contrário, o que este acordo traduz é uma inaceitável tentativa de alcançar na secretaria aquilo que a vontade das populações e dos eleitores não lhes deu.

Apesar das encenadas divergências, o compromisso assumido por PS e PSD visa uma partilha do poder que assume nas autarquias a extensão das políticas de direita que estão na origem dos reais problemas com que os trabalhadores, o povo e o país se confrontam.

A alteração proposta representaria a deslegitimação da vontade directa das populações. A ser aprovada, a escolha em concreto de todos e de cada um dos vereadores que até hoje é feita através da vontade directa de cada um dos eleitores passaria a resultar da mera escolha unipessoal do futuro presidente da Câmara. Não deixa de ser esclarecedor que aqueles que repetem hinos à participação dos cidadãos e à proximidade entre eleitos e eleitores lhes neguem logo à partida o simples e inalienável direito de, com o seu voto, poderem escolher aqueles que melhor os representem.

Com este projecto, PS e PSD dão expressão à sua concepção de poder absoluto e assumem para o futuro, caso as suam intenções se concretizem, a pesada responsabilidade de contribuírem para um sistema que favoreça uma gestão baseada na falta de transparência e no clientelismo.

O PCP afirma que fará tudo o que estivar ao seu alcance para impedir que se confirme este profundo retrocesso democrático e apela às populações, e também ao conjunto das elites no poder local, para que rejeitem esta proposta.



publicado por Ricardo Miguel às 23:12
link do post | comentar | favorito
|

Seja muito bem vindo ao blog da CDU do CADAVAL.
pesquisar
 
Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
25

26
27
28
29
30


Artigos recentes

WWW.CADAVAL.CDU.PT

UMA EQUIPA DE ELEIÇÃO!

A CAMPANHA ESTÁ NA RUA!

CDU apresenta candidata à...

SÓ ATÉ FINAL DE JULHO

CDU APRESENTA CANDIDATOS ...

EQUIPA CDU PARA JUNTA DA ...

ANGÉLICA LAREIRO, INDEPEN...

ASSEMBLEIA MUNICIPAL - 26...

CDU CONTRA DECLARAÇÃO DE...

Arquivos
links
blogs SAPO
subscrever feeds